O primeiro programa na TV Globo



Antecedentes


O programa Os Trapalhões era transmitido de 1974 a 1976 aos domingos na antiga TV Tupi, que nessa época já dava sinais de falência. No mesmo horário de sua exibição, era transmitido na já rival TV Globo a revista eletrônica dominical Fantástico, o show da vida.

Os Trapalhões bateram a audiência do programa global várias vezes chamando a atenção da emissora. Até que em uma das crises salariais da TV Tupi, Boni, o manda-chuva da TV Globo na época, chamou o quarteto para um almoço e conta-se que de lá mesmo saíram contratados.

Após algumas exigências de Renato Aragão e sua trupe, os Trapalhões apareceram como uma espécie de aperitivo na faixa das 21h na Sexta Super, em 07 de janeiro de 1977 (Sexta-feira). Depois, outro especial foi exibido em 05 de fevereiro de 1977 (Sábado).

O grupo estreou mesmo de vez com o seu programa nº 01 na TV Globo no domingo dia 13 de março de 1977, às 19h, antes do Fantástico, o show da vida. A partir daqui, todo domingo tinha uma aventura dos Trapalhões.

Claquete da censura


Quem viveu na década de 1960 ou na década de 1970 no Brasil sabe muito bem que antes de iniciar qualquer programa na TV aparecia uma claquete da censura indicando se a produção era livre. Hoje em dia há um indicativo de faixa etária nas produções, mas é muito diferente do que ocorria naquela época.

Como todos sabem, o Brasil vivia uma ditadura, e o Estado de exceção permitia ao Governo decretar censura a tudo aquilo que se produzia no país. Os censores do Estado avaliavam tudo. Só ia ao ar depois que passasse por eles. Uma única menção negativa ao Governo, ao regime, ou à situação política do país era vetado.

Este programa nº 01 dos Trapalhões na TV Globo teve indicação livre pela censura. O que dá a entender, pelo menos aparentemente, que nada foi cortado pelos censores.

Abertura e créditos iniciais

 

 


A abertura do programa foi criada por Joaquim 3 Rios (Clique aqui para saber mais). Deve ter sido elaborada entre novembro e dezembro de 1976, época em que o quarteto foi contratado por Boni, um dos manda-chuvas da TV Globo. Assim como em toda produção, primeiro foram feitos os desenhos e a animação. Logo depois foram inseridos os caracteres.

Acredito que a TV Globo tenha essa abertura sem caracteres, ou seja, com o material bruto. Pois em muitas vezes foi possível ver em programas como o Vídeo Show a essa abertura somente com a animação. Creio eu que toda vez que era necessário acrescentar ou retirar nomes do elenco ou do pessoal técnico do programa Os Trapalhões, a TV Globo pegava esse material bruto, que estava sem caracter nem nada.

E a exemplo dos dois especiais anteriores, neste primero programa foi possível ouvir outra vez na abertura a famosa e saudosa música dos Trapalhões, elaborada por José Menezes de França e com apoio técnico e sinfônico da Orquestra Musical da TV Globo.

O elenco e pessoal técnico nos créditos iniciais deste primeiro programa dos Trapalhões na TV Globo

- Um programa de: Augusto Cesar Vanucci, Carlos Alberto de Nóbrega, Adriano Stuart e Mário Wilson.

- Elenco: Renato Aragão, Dedé Santana, Antonio Carlos "Mussum", Mauro Gonçalves "Zacarias", Lady Francisco, Carlos Leite, Dilma Loés, Aurimar Rocha, Esmeralda Barros, Angelito Mello, Glória Cristal, Silvino Neto, Rossane Campos, Jandir Motta, Érica Nunes, Manoel Vieira, Marcelo Baraúna, Fernando Reski, Darcy de Souza, Sandoval Mello Motta, Cláudio Lisboa, Paulo Nolasco. Ator convidado: Wanderley Cardoso.

- Cenografia: Fernando Camargo.

- Assistente: May Martins.

- Montagem: Aylton Ferreira.

- Figurinos: Di Menezes.

- Sonoplastia: Milton Porto

- Direção musical: José Menezes e Guio de Moraes.

- Produção: Ruy Mattos, Ivan di Carlo e Flávio Campello.

- Direção de imagem: Helmar Sérgio.

- Editor e diretor assistente: Luiz Teixeira.

- Direção geral: Augusto Cesar Vanucci.


Assista ao vídeo da abertura

Quadro nº01: A piscina

Didi e Dedé pretendem ir à praia, mas resolvem mesmo é entrar em um hotel grã-fino onde tem uma piscina repleta de mulheres bonitas.

Os dois fingem ser quiromantes para conseguir a atenção de algumas garotas. Após entrar na piscina, Didi perde seu calção e fica completamente nu. Para sair dessa situação ele rouba o maiô de uma senhora.


Curiosidades:

- Participação especial da atriz Glória Cristal, de biquíni marrom, deitada ao redor da piscina. Ficou muito conhecida como uma das mulatas do apresentador Osvaldo Sargentelli (1924-2002) e também como a mulata do Fantástico nos anos 1970.

- O vendedor de sorvetes é uma figurinha carimbada do programa Os Trapalhões. Desconheço seu nome.

- Participação especial da atriz Darcy de Souza.


ONDE FORAM PARAR AS CENAS DO METRÔ?

- O documentário O mundo mágico dos Trapalhões (1981) mostrou cenas um tanto estranhas deste quadro. É que essas cenas não foram vistas na reexibição deste primeiro programa, feita em junho de 1990 durante as comemorações dos 25 anos da TV Globo*. Acredito que estas cenas ou estão só no documentário ou, o mais provável, fazem parte do segundo programa especial, exibido no dia 05 de fevereiro de 1977.

Nem todos sabem, mas muitos quadros dos dois especiais (07 de janeiro e 05 de fevereiro) e deste primeiro programa foram produzidos quase que ao mesmo tempo. A impressão é que parecem ter sido fatiados na edição e em seguida acomodados diferentemente nos especiais e no programa nº 01. Por isso é que se vê um mesmo esquete mais de uma vez quando se assiste a essas três aventuras dos Trapalhões em 1977.

O fato é que a reexibição do primeiro programa em 1990 começa com Didi e Dedé descendo as escadas e indo pegar um ônibus. No documentário, porém, o quadro inicia-se um pouco antes com o metrô chegando e os dois trapalhões correndo junto com outras pessoas para serem os primeiros a entrar. O problema é que Didi está com uma prancha de surf e impede que todos entrem. Um senhor de nome João exige que Didi jogue a prancha fora. Por sua vez, o trapalhão diz para ele jogar fora sua esposa que é mais velha, interpretada aqui pela atriz Darcy de Souza (1925-1994).

A briga acima explica porque dentro do ônibus Didi parece caçoar outra vez de uma mesma pessoa - que é o mesmo senhor da estação do metrô. Isso porque eles já haviam trocado farpas antes.


* Acho difícil alguém ter gravado em 1977 esse programa completo dos Trapalhões. Isso porque ainda não se fabricavam nesse ano os aparelhos de videocassete de uso doméstico no Brasil. O primeiro no país foi produzido em 1982 (O VC 8510 da Sharp, no formato VHS), embora existam registros de gente com aparelhos antes desta data, tendo importado ou contrabandeado de outros países. Mesmo assim, a popularidade do videocassete só se deu por aqui alguns anos depois. Portanto, quem tem este programa completo dos Trapalhões hoje, ou gravou em 1990, ou conseguiu de alguém que gravou neste ano, ou adquiriu no CEDOC da TV Globo.




Quadro nº02: Psit News

O Psit News é dividido em três momentos.

No primeiro, Dedé é um alpinista que vai tentar alcançar a baía sul pelo lado norte. Sendo patrocinado por uma famosa marca de relógios, cai do penhasco ao olhar as horas. A repórter se espanta não com a queda do alpinista, mas sim porque, devido às horas, descobre que está atrasada para a manicure.

No segundo momento, Zorro sai de Las Vegas montado no índio Tonto por este ter perdido seu cavalo em uma aposta na cidade.

Por fim, a notícia do batizado do super porta-aviões S.S. Enterprise. O problema é que uma mulher toda vez se dá mal quando vai quebrar a garrafa para batizar o navio, fato que provoca gargalhadas em dois comandantes.



Assista abaixo ao vídeo deste quadro

Curiosidades:

- Zacarias é quem encarna a ave amarela da abertura do Psit News.

- Quem apresenta o Psit News é o humorista e cantor Silvino Neto (1913-1991). É pai do comediante Paulo Silvino, famoso por seus personagens em Viva o Gordo, Planeta dos Homens e Zorra Total (Atua neste humorístico como o porteiro Severino), todos pela TV Globo.

- Participação especial do ator Carlos Leite como um dos comandantes do super porta-aviões S.S. Enterprise.

- Participação especial da atriz Dilma Loés interpretando a repórter. Ela já havia interpretado essa mesma repórter - nesse mesmo cenário e com as mesmas roupas - no programa especial dos Trapalhões de 07 de janeiro de 1977. Na ocasião ela entrevistou Sherlock Holmes (Zacarias). A cena mostra que os especiais e este programa nº 01 parecem ter sido gravados ao mesmo tempo.

- O Zorro (Renato Aragão) também já havia aparecido no programa especial dos Trapalhões de 07 de janeiro de 1977. Nesse especial ele estava com o seu cavalo branco e o perde aqui em uma aposta. A exemplo da personagem de Dilma Loés, aqui tem-se um claro exemplo de que os especiais e este programa nº 01 parecem ter sido gravados ao mesmo tempo.

Quadro nº03: S.U.A.T.

A S.U.A.T. tem uma missão: salvar uma mulher que está a ponto de ser atirada do alto de um prédio por dois bandidos. Os integrantes do esquadrão tático especial não conseguem chegar a tempo dos meliantes atirarem a moça. Didi, que estava no andar de baixo, a segura, mas a solta em seguida para comemorar seu "triunfo".

Curiosidades:

- Esta não é a primeira missão da S.U.A.T. No especial dos Trapalhões exibido em 07 de janeiro de 1977, o comando salva o gato Luís Augusto que havia ficado preso em uma árvore.

- A S.U.A.T. não obteve êxito em sua missão já que a moça caiu prédio abaixo após Didi largá-la.

- Didi diz os nomes dele e de seus companheiros: Bob Mussum (Especialista em cibernética, mas nas horas vagas faz seus biscates), Didi Row, Xexeu McCabe (Dedé Santana) e Zacaref On the Rocks.

- Estranho mesmo é os Trapalhões saírem de dentro das dependências do Motel Playboy. Parece que o Q.G. da S.U.A.T. é neste local, pois no programa especial de janeiro de 1977 o comando também sai daqui. O Motel Playboy volta a aparecer em um outro quadro deste programa.

- Assim como nos demais quadros da S.U.A.T., a equipe vez por outra bate seu veículo. A vítima da vez aqui foi um carrinho de pipoca.


- Muito estranho também é que antes de começar o quadro da S.U.A.T. aparecem cenas do último quadro deste programa em que Rodolfinho (Renato Aragão) persegue Didi pelas ruas. Curiosamente estas cenas não aparecem no último esquete deste programa.

- Para que existe mesmo a S.U.A.T.? O narrador explica: "Quando a cidade está em perigo chama a polícia. Quando a polícia precisa de ajuda chama a S.U.A.T. Eu disse S.U.A.T.".

- Logo no primeiro programa os Trapalhões soltam suas famosas gags. Em uma delas, Zacarias está ao telefone:
Zacarias: Alô! Tá! Tá! Tá! Tá! Tá!
Dedé: Quem era?
Zacarias: O Tatá.
O interessante é que Zacarias já havia atendido o telefone e mesmo assim o objeto continuou a tocar. Em outra, Didi controla a dor e solta o grito dentro da bolsa de Dedé. Quando Dedé a abre, eis que sai o grito dado por Didi.

- Os dois atores que intepretaram os bandidos neste quadro da S.U.A.T. também aparecem como figurantes da festa de Rodolfinho (Renato Aragão) no último quadro deste programa.

 

Quadro nº04: A farpa

Um paciente chega ao consultório para que lhe retirem uma simples farpa do dedo. O médico Zacarias faz a retirada pelo preço exorbitante de 500 cruzeiros. Justifica ele que é assim que mantêm seu cadilac, compra casacos de linho para sua esposa e passa férias na Europa. Devido aos sucessivos protestos do paciente, o médico resolve fazer outras cirurgias: retirar as amídalas, o apêndice, as glândulas adenóides, parte do duodeno e um rim. O médico Zacarias faz todas as cirurgias, mas ao apertar a mão do paciente percebe que não retirou a farpa.


Assista abaixo ao vídeo deste quadro

Curiosidades:

- Com a atuação especial do ator Carlos Leite.

- Em um determinado momento, Zacarias diz que fará por 7 mil cruzeiros o preço de várias cirurgias. O ator Carlos Leite, no entanto, acaba dizendo 2 mil cruzeiros em vez dos 7 mil ditos anteriormente.

Quadro nº05: O homem que chove

Didi decide ir a um psiquiatra. O motivo: aonde ele vai começa a chover em cima dele. Mas ironicamente, no momento em que decide realmente se molhar, que é na hora de se banhar, não sai água do chuveiro. Então, apela para que chova nele.


Assista abaixo ao vídeo deste quadro

Curiosidade:

- Desconheço os nomes dos atores que interpretaram o amigo de Didi e o psiquiatra.

Quadro nº06: O eco

Dedé é um caçador e começa a gritar palavras para testar o eco de uma caverna. Depois do eco falhar na última frase ("Eu vou pra Maracangaia"), Dedé atira em uma rocha. E o eco manda de volta uma rajada de metralhadora acertando o caçador.

Curiosidade:

- Este mesmo cenário com o fundo azul e com as rochas cenográficas foi usado no quadro Psit News em que Dedé é um alpinista patrocinado por uma famosa marca de relógios.

Quadro nº07: A mão

Didi é casado com uma mão cujo nome dela é Eurice. Ela faz tudo desde tirar a poeira dos móveis a coçar a cabeça de Didi. Ele explica que havia pedido a mão de Eurice ao pai dela, só que o pai da moça levou a coisa a sério demais.

Quadro nº08: Porteiro de motel

Didi é porteiro de motel e incomoda clientes que querem discrição ao entrar nas dependências do estabelecimento. O primeiro é Gilberto que Didi diz ter tomado conta do sítio dele em Muriqui. Ele e uma mulher escondem o rosto. Por causa disso, Didi diz a eles que tem colírio na enfermaria. Deram a entender que estavam indo ali escondidos. Provavelmente um dos dois era comprometido, embora Gilberto tenha dito que a moça era sua esposa.

O segundo casal é mais estranho ainda. Uma mulher conduz o carro e o homem que vai de passageiro também meio que esconde o rosto de Didi.

O último a entrar no motel é Wanderley Cardoso. Ele diz que veio "sozinho", apenas para compor e descansar. Queria acordar às seis da manhã com café e suco de frutas. Ao ouvir a solicitação, Didi corre para o porta-malas e pergunta se a mocinha que ali estava não queria alguma coisa também.

Curiosidades:

- Participação especial do cantor Wanderley Cardoso.

- Conforme dito acima, aparece outra vez aqui o Motel Playboy.

Quadro nº09: Uma deliciosa confusão

Didi trabalha em uma obra e fica deslumbrado com uma das moças do prédio. Arruma-se todo e bate a porta do apartamento dela oferecendo-lhe uma canetinha. Para a surpresa dele, a moça lhe dá um beijo na boca.

Logo se dá conta que o marido dela, Rodolfinho, é igualzinho a ele. Ela só percebe o engano quando tira a camisa de Didi e vê nele a marca de uma cirurgia de retirada do apêndice. Durante a festa, Didi tenta escapar em vão e acaba arrumando uma confusão em que Rodolfinho leva uma garrafada na cabeça.

Rodolfinho persegue Didi - que estava na cama, saindo de lá totalmente nu e coberto só com um envoltório de abajur - pelas ruas. Ele entra em uma maratona, a qual sai vencedor. Ao receber o troféu, deixa cair o que lhe cobria e fica nu na presença de milhares de pessoas no estádio.

Curiosidades:

- Didi diz que é vendedor de canetas. No entanto, sua função no início era de trabalhador em uma obra do prédio.

- Parece que a esposa de Rodolfinho sabia muito bem que quem estava com ela na cama era Didi e não seu marido.

- Dedé, Mussum e Zacarias participaram da maratona.

- O que não é possível entender é Didi ter pulado do prédio e ganhar as ruas da cidade, e logo em seguida aparecer outra vez dentro do mesmo prédio.

- Participação especial do ator Angelito Mello como o convidado que oferece seu cigarro a Didi (Ele diz: "Mas o que é isso? Aniversariante não compra cigarro não. Toma o meu!").

- Participação especial da atriz Glória Cristal, de vestido azul cantando Feliz Aniversário em inglês (Happy Birthday) para Didi.

- O estádio em que Didi recebe o troféu e fica nu é o Maracanã. Estava sendo disputada aí a partida entre Fluminense e Corinthians, conforme se vê no placar eletrônico. O encontro das duas equipes aconteceu em 5 de dezembro de 1976 pelas semi-finais do Campeonato Brasileiro de Futebol. Constata-se, então, que foi nesta data que parte deste quadro foi gravado.

 


Banner de divulgação (Tamanho 468x63)


© Copyright - Página feita no Brasil - Desde 15 de dezembro de 2008

Melhor visualização em telas de 1280x768