Curiosidades: parte II

 

Quais foram as revistas em quadrinhos dos Trapalhões?

Tudo começou em 1976, quando foi lançado o primeiro gibi chamado de Os Trapalhões. A editora responsável foi a Bloch, pertencente à família de mesmo nome, dona da extinta rede de televisão Manchete. Nessa época, ainda era possível ver o quarteto dividindo suas histórias em quadrinhos com outros personagens como, por exemplo, o Gato Félix.

Foi por causa da intervenção do quadrinista Ely Barbosa que a revista tomou outro rumo. Ainda pela Bloch, a revista Os Trapalhões ganhou liberdade dos criadores que puderam colocar diferentes histórias e situações, muitas delas exageradas. Foi dessa forma que surgiram histórias como as de He-Gay (Paródia homossexual do herói He-Man) e E.T.C., ou seja, o Extra-Terrestre Cearense (Paródia do ET de Steven Spielperg).

Particularmente, essas duas versões da revista eu não cheguei a conhecer na época que foram lançadas. Talvez porque aqui no meu estado não as vendessem. A Editora Bloch deveria ter mesmo um mercado reduzido. E acredito que essa situação se intensificou mais ainda quando seu dono, Adolpho Bloch, passou a se preocupar mais com a TV Manchete.

A versão que conheci - e que, talvez, foi a mais famosa - é a dos traços do quadrinista César Sandoval, utilizada inclusive nas introduções dos filmes do grupo. Os Trapalhões da Bloch tinham traços adultos o que, provavelmente, não agradava ao quarteto que queria alcançar mais ainda o público infantil através das HQs. O resultado obtido com Sandoval foram os Trapalhões com traços de crianças. As histórias eram também voltadas para elas, ao contrário da Bloch onde o contéudo era mais para os adultos.

A Editora Abril, através da Abril Jovem, uma ramificação para esse segmento, começou a publicar as revistas em 1988 - estranho é não terem sido lançadas pela Editora Globo - até que em 1994, após a morte de Mussum, saíram definitivamente de linha.

  

Propagandas da revista As Aventuras dos Trapalhões (1991) da editora Abril Jovem.

Para saber mais sobre as revistas dos Trapalhões indico este texto de autoria de Marcus Ramone para o site Universo HQ.

Quantas vezes os Trapalhões já apareceram no fim de ano da Globo?

Desde 1971 a TV Globo passou a exibir a sua famosa vinheta de fim de ano, na maioria das vezes ao som da música Um novo tempo, da cantora Cecília Dale. Vários artistas da emissora passaram por essas vinhetas e os Trapalhões foram um deles.

No final do ano de 1978 aparece somente Renato Aragão ao lado de crianças em um parque de diversões. Ele também apareceria na de 1982-1983. Na ocasião falou sobre o amor de Cândido Portinari às crianças. Nas vinhetas Onda da Globo, que apresentaram o cast de artistas da emissora para o ano de 1987, aparece em uma Dedé Santana e na outra Renato Aragão, Mussum e Zacarias.

Os Trapalhões apareceriam juntos somente na passagem de 1989 para 1990. Primeiro surge Zacarias, seguido por Renato Aragão, Dedé e Mussum. Até mesmo Tião Macalé está presente. Um trecho desta vinheta de fim de ano, em que os funcionários cantam a superioridade da emissora em 1990, apareceu também no documentário Muito Além do Cidadão Kane (Beyond Citizen Kane), produzido em 1993 no Reino Unido por Simon Hartog. O documentário menciona o poderio e a manipulação exercida pela TV Globo no Brasil desde a ditadura militar dos anos 1960.

   

Na sequência: Renato Aragão, Dedé Santana, Mussum (à esquerda) e Tião Macalé (ver seta no detalhe), Zacarias (ver seta no detalhe)

 

Quem criou o tema de abertura dos Trapalhões?

O tema de abertura do programa Os Trapalhões é obra do cearense José Menezes de França, mais conhecido como Zé Menezes. Músico desde os oito anos de idade, Menezes chegou ao Rio de Janeiro em 1943 passando pelas Rádios Mayrink e Nacional e tocando ao lado do parceiro Luiz Bittencourt.

Nos anos 1960 criou o grupo Os velhinhos transviados e passou a ser maestro da RCA Victor e arranjador musical. Nos anos 1970 foi contratado pela TV Globo para compor trilhas de programas. Entre as mais famosas estavam a dos Trapalhões, Chico City e Viva o Gordo.

 

Por qual motivo os Trapalhões se separaram na década de 1980?

 

Aconteceu em 1983. Dedé, Mussum e Zacarias acusavam Renato Aragão de sempre levar a maior parte da renda nos filmes e no programa de TV. Resultado: o grupo se separou seriamente. Renato Aragão filmou O Trapalhão na Arca de Noé (Com participação especial de Sérgio Mallandro, Gracindo Jr. e Xuxa) e seus ex-companheiros Dedé, Mussum e Zacarias produziram Atrapalhando a Suate por intermédio da produtora que criaram: a DEMUZA.

Somente com a intervenção de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho - o Boni -, manda-chuva da TV Globo na década de 1980, é que o quarteto se reconciliou. Boni melhorou o salário de Dedé, Mussum e Zacarias e os convenceu que Renato Aragão era inevitavelmente reconhecido pelo público como líder do grupo e, por isso, tinha mais status.

Quais as emissoras de TV brasileiras que os Trapalhões já passaram?

Foram quatro as emissoras de televisão do Brasil que o programa Os Trapalhões já transitou. Antes de se estabilizarem na TV Globo, emissora que permaneceram durante 18 anos, os humoristas passaram pela TV Excelsior, TV Record e TV Tupi.

Entre 1969 e 1971, os humoristas Renato Aragão, Dedé Santana e Roberto Guilherme não tinham um programa próprio. Eles participavam, nessa época, como convidados do humorístico Praça da Alegria, conduzido por Manoel de Nóbrega.

Adoráveis Trapalhões

1966-1968

TV Excelsior

Os Insociáveis

1972-1973

TV Record

Os Trapalhões

1974-1976

TV Tupi

Os Trapalhões

1977-1995

TV Globo

 

<- PARTE I  •  PARTE III - >

 

 


Banner de divulgação (Tamanho 468x63)


© Copyright - Página feita no Brasil - Desde 15 de dezembro de 2008

Melhor visualização em telas de 1280x768